Tuesday, February 17, 2009

ata de reunião 14-02-08

Reunião realizada em 14 de Fevereiro de 2009 na casa de Marcelo Pallotta, na alameda 3 número 240, na Praia do Felix, as 16h.

Estavam presentes: Marcelo Pallotta, Eduardo Petta, Carolina Riva, Waldir Wagner, Adelaide Mammini, Osmar Mammini, Otacílio Ferreira, Orlando Barreto, João Roberto Sampaio, Mario Macedo, Nadir Costa, Cássio Leitão, Marcelo Carlucci, Marcelo Curti, Silvia Chile, Joan Villa, Maria José, Lazlo Mouna com sua esposa Georgina.

Aberta a reunião em 2ª chamada as 17h, com qualquer número, foi discutido a colocação previamente feita por Roberto Mamede que, segundo ele, o nosso presidente não tinha legitimidade conforme nosso estatuto. O Sr. Mário, demonstrou para todos o estatuto da AMPRAFÉ, que pág. 10 Artigo 57 Item II (São Elegíveis: Os dependentes de associados efetivos plenos para a Diretoria.). Baseado no estatuto da associação e amparado pelos advogados, o Dr. Wagner e a Dra. Maria José, conclui-se a normalidade da chapa que foi novamente aprovada por todos os presentes.Dando continuidade, o sr. Marcelo Pallotta expôs o novo serviço de segurança instalado na guarita: câmeras de segurança, (de visão noturna) com monitoramento 24h por uma empresa de segurança através de um botão de acionamento a distância (botão de pânico) , além de uma luz extra “de presença” e de placa de sinalização :"você esta sendo filmado".
Após o debate sobre os acordos de inadimplentes, Adelaide solicitou que fosse anexado a carta que ela leu antes da votação. (em anexo a este arquivo)
A votação sobre anistiar juros e correção houve 5 votos a favor.
A votação sobre anistiar somente os juros houve 8 votos a favor, sendo portanto a vencedora.
Foi lembrado que o parcelamento da dívida não precisava de votação, pois nosso presidente tem poderes para faze-lo. O sr. Mario lembra que o parcelamento é válido para todos e se coloca à disposição para adequar o parcelamento caso-a caso.
A Carolina e seu marido Eduardo, solicitaram a preferência de ser citados oficialmente (ou via internet) afim de obter informações precisas sobre suas dívidas e dados do processo.
Voltando o assunto de segurança, foi sugerido que a mesma empresa de monitoramento pudesse integrar as casas à vigilância, seja com câmeras em algumas ruas ou com botões de pânico dentro das residências. O sr. Mário e o sr. Marcelo ficaram de levar essa questão até a empresa, para que ela pudesse participar do debate de segurança, podendo oferecer e integrar mais os serviços em uma próxima reunião. O sr. Marcelo lembrou que o acionamento da policia através da empresa torna o serviço da guarita mais seguro e ágil.
A Carolina elogiou a implantação da zona Azul que conseguiu eliminar guardadores de carro sazonais e de procedências criminosas que antigamente vinham na alta estação. Elogiou-se também a contratação do sr. Manoel e o sr. Antero pela Zona Azul, freqüentadores muito antigos do Félix , que prestigia assim os conhecidos e honestos da praia. O Sr. Mário levou ao conhecimento da empresa de zona Azul, reclamações da associação, pedindo providências para melhorar a regulamentação e fiscalização.
O Juan sugeriu um adesivo da associação para identificação dos carros, afim de isentar multas dentro da praia.

Nada mais havendo foi encerrada a reunião as 18h20

A NOVA DIRETORIA
Www.amprafe.blogspot.com

2 comments:

roberto said...

Prezados Associados.

Tendo em vista a ‘decisão’ de aprovarem o impossível, ou seja, a legitimidade do Sr. Mario como presidente, por ser dependente da mãe-proprietária, há que colocar, o que se segue.
Em primeiro lugar, antecipo, sem qualquer consulta ao Dr. Wagner, que ele, advogado culto e atilado, jamais cometeria tal despautério, de amparar tal decisão.
No dicionário Aurélio dependente é:

“ De depender + -nte.]
Adj. 2 g.
1. Que depende.
2. E. Ling. Subordinado (3).
3. E. Ling. V. regido (1).

S. 2 g.
4. Pessoa que não dispõe de recursos para promover a sua subsistência.
5. Pessoa que vive a expensas de outra.
6. Farmac. Psiq. Aquele que sofre de dependência (5 a 7).
7. Bras. Estudante que, reprovado numa disciplina de uma série escolar, obtém matrícula na série imediata, dependendo da aprovação naquela disciplina a sua promoção a esta série. “

Caso seja o Sr. Mario, pessoa em torno dos 50 anos, dependente de sua mãe, algo grave o acomete. Nestas circunstâncias, inabilitado para ter vida independente, nada o credencia, até muito pelo contrário, à direção e/ou liderança de qualquer tipo na vida civil.
Não teria condições básicas de presidir a AMPRAFÉ.
Aqui tratamos de presidente que não o pode ser.
A decisão da assembléia houve por bem dar legitimidade a uma pessoa em torno dos 50 anos que se declara ... dependente, ou seja,

“ 4. Pessoa que não dispõe de recursos para promover a sua subsistência.
5. Pessoa que vive a expensas de outra.
6. Farmac. Psiq. Aquele que sofre de dependência (5 a 7) “.

Além disso, quem constrói no Felix, no Loteamento Cachoeiro do Sobrado, imóvel com cinco andares,
coisa absolutamente proibida por lei,
proibida por contrato,
que agride o bom senso,
proibida pelas leis de proteção ao meio ambiente,
feita em local inedificável, em área de APP (área de proteção permanente),
bem como estar área de proteção ciliar, além d’outros impeditivos, não tem condições de liderar, até por ser dependente, uma sociedade que pretende o desenvolvimento e a administração legal do meio ambiente sob o império da lei e do que a todos obriga contratualmente.
Por fim, surpreendente a afirmação de que a zona azul teria dado certo.
É público e notório o caos que se seguiu á implantação, caos que só não se eternizou por eu ter promovido a contratação, pela zona azul, de Manoel e Antero, para ajudarem a conter a total confusão que se seguiu à implantação da famigerada zona azul, coisa que antecipei, por escrito, mais de uma vez, que iria acontecer.
Encerrando a presente, é importante providências quanto aos caminhos do Felix.
Atenciosamente.

Roberto de Mamede Costa Leite
Presidente fundador e Conselheiro da
AMPRAFÉ – ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA PRAIA
DO FELIX

marcelo pallotta said...

Caro Roberto.

Respeitamos a sua opinião, assim como a de todos os associados. No entanto, obtivemos o aval do Dr.Wagner que, conforme afiançado por você mesmo, é um advogado digno de todo o nosso respeito, motivo pelo qual o Mário permanece legalmente na Presidência da Associação. Aliás,o trabalho por ele desenvolvido ate o momento tem sido excepcional, e exemplo disso é o numero de associados presentes à ultima reunião, em um fim de semana chuvoso e antes de um feriado prolongado, revelando-se, portanto, que está havendo clara demonstração da aprovação por parte dos associados do Mário na Presidência, bem como da Diretoria eleita.

Quanto à sua solicitação de comunicação, a posição da diretoria é de que a comunicação por mailling digital é de exclusividade da diretoria, para uso de mensagens oficiais aos associados e, portanto, não pretendemos que esse meio se torne um veículo que promova desavenças pessoais entre os seus integrantes. Ao contrário, pretendemos a união de todos com um único objetivo: tornar a nossa associação forte para revigorar o Felix, afastando todos os problemas que vimos enfrentando nos últimos anos.

Vamos em breve fazer uma nova reunião para discutir o plano diretor. Peço para que você se pronuncie nessa ocasião (discutiremos inclusive a zona azul, conforme sua sugestão) quando ficará registrada oficialmente em ata a sua opinião e sugestão, que se tornará de conhecimento de todos.
Grato pela sua compreensão.
Atenciosamente,
A nova diretoria